«

»

abr 13

Imprimir Post

ARTIGO: Romper com o sistema de morte para que a Páscoa aconteça

E Jesus ressuscitou no terceiro dia.

E Jesus ressuscitou no terceiro dia.

O relato da paixão, no domingo de Ramos, diz que os chefes, os poderosos, os que tramaram a morte de Jesus incitaram o povo para que pedissem a sua condenação. E o povo começou a gritar: crucifica-o! Fiquei pensando sobre a lei de redução da maioridade penal que está para ser votada no Congresso. E o quanto continuamos, nos dias de hoje, pedindo a condenação dos inocentes.

 

O mesmo sistema que cria as desigualdades sociais, que marginaliza os pobres, os negros, os indígenas, as mulheres, os homoafetivos… é que depois trama a sua morte. Somos sabedores que o que se faz necessário é a ruptura urgente desse sistema de morte. A redução da maioridade penal não resolve o problema. É preciso atingir as causas. Onde estão as políticas públicas para nossa juventude? Educação de qualidade? O valor digno pelo trabalho executado?

 

Esses dias uma emissora de televisão exibiu várias matérias sobre crianças e adolescentes, mas com uma única intenção: mostrar os motivos, embora de maneira disfarçada, para a redução da maioridade penal. São os grandes e poderosos que continuam insuflando o povo para que gritem que os menores são vagabundos, delinqüentes e violentos. E que merecem ser punidos.

 

E, na maioria das vezes, são pessoas fervorosas que estão na Igreja todos os dias comungando o corpo e o sangue de nosso Senhor Jesus Cristo que se tornam cúmplices daqueles que continuam crucificando Jesus nos dias de hoje. Enquanto pessoas que nem se dizem católicas e nem professam em nenhuma outra religião estão defendendo a vida. Assumem com maior fidelidade elementos propostos pelo Reino de Deus.

 

Jesus vai até as últimas conseqüências na defesa da vida e do projeto da boa notícia que ele acredita. Tentaram intimidá-lo, mas ele continuou firme. É bom que nesse tempo da semana santa, começando pelo domingo de ramos, possamos nos questionar sobre que tipo de cristãos estamos sendo nós. Nos banqueteamos com o banquete de morte de Herodes ou estamos do lado daquele que propõe o banquete da vida plena?

A proposta do Reino de Deus não agrada a todos, pois mexe com interesses. É uma proposta que gera conflitos. Muitos que se colocaram contra esse sistema de morte, foram também, como Jesus de Nazaré, levados a tribunais, julgados, condenados e mortos. E com certeza muitos ainda o serão. O mais importante é continuar acreditando e lutando para que a páscoa aconteça.

 

Padre Antonio Julio Ferreira de Souza, C.Ss.R

Link permanente para este artigo: http://www.redentoristasfortaleza.org.br/nota/555

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>