«

»

maio 13

Imprimir Post

Comuna de Aracati rompe com a lógica do Capital especulativo

A ocupação

 

Às 5h00 da manhã deste domingo, 03 , cerca de 300 famílias sem moradia ocuparam um terreno urbano em Aracati. O terreno está localizado na Avenida Dragão do Mar e antigamente era sede de uma grande cerâmica, hoje abandonada. A ocupação, chamada de Comuna, faz parte, segundo Paulo Henrique Campos, integrante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST, de uma estratégia do movimento de repensar a cidade a partir da ótica dos que são invisíveis pela lógica do capital. Há uma grande especulação imobiliária urbana e trata-se do mesmo inimigo que está no campo. A comuna, diz Campos, nasceu em São Paulo e hoje se encontra em várias regiões do país. Aqui no Ceará, a primeira Comuna, 17 de abril, aconteceu em Fortaleza, no latifúndio da família Montenegro.

 

A negociação

 

Acampadas, as famílias começaram a se organizar, limpar o terreno, construir o barracão coletivo e a medir o espaço de suas barracas. Ao mesmo tempo, a coordenação formada pela Organização Populaar de Aracati – OPA e o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra – MST, agilizava as negociações com os governos municipal e estadual. Enquanto isso, receberam por três vezes a visita da polícia militar, inclusive do Major querendo intermediar em favor do suposto dono do terreno. Na tarde de segunda-feira, 04, um canal de negociação foi aberto com o governo do estado, que sinalizou de forma positiva a construção das moradias. Elisângela Gomes, militante do MST, participou da negociação e disse que o secretário das cidades, Ivo Gomes, se comprometeu em incluir as moradias dentro do novo programa Minha Casa minha Vida do governo federal. Também, ainda segundo Elisângela, o secretário se comprometeu com a negociação do terreno.

 

O vandalismo do proprietário

 

Duas horas da manhã do dia 05 escutam-se os tiros e as redes indo ao chão. Era o proprietário do terreno com a sua milícia, cerca de 60 homens fortemente armados, colocando as famílias para fora sem mesmo terem o direito de tirarem os seus pertences. Muita coisa foi destruída e nos barracos atearam fogo. “Eles chegaram chamando a gente de vagabundos, torando as cordas da rede e atirando”, afirmou dona Francisca, uma das famílias acampadas. Apavoradas, as famílias ligaram para o Major, na esperança de encontrarem proteção do Estado, mas, segundo os organizadores, grande foi a decepção quando chegaram as viaturas, pois nitidamente ficaram do lado de lá com as armas apontadas para os desabrigados.

 

A resistência

 

Mesmo com a repressão, as famílias continuaram acampadas na avenida, vendo amanhecer o dia. Às 8h30 da manhã estava marcada uma audiência com o prefeito de Aracati, Ivan Silvério. Na audiência, ficou acordado que a prefeitura irá começar o cadastro das famílias nessa sexta-feira, 08, também garantiu a doação de lonas, água e cestas básicas. Cantando “essa luta é nossa, essa luta é do povo e só lutando se constrói um Brasil novo”, as famílias saíram em marcha e ocuparam o terreno que, segundo informações, pertence ao Departamento Estadual de Rodovias – DER, ao lado do Hospital Municipal Doutor Eduardo Dias. Para Josenilson Correia, militante da Organização Popular de Aracati, é extraordinária a força que vem do povo. Ele tem um poder que muitas vezes não sabe que tem. E esse é o papel das organizações: ajudar o povo a despertar e descobrir esse potencial para lutar pelos seus direitos, finaliza Correia.

Por Júlio Ferreira

 

Link permanente para este artigo: http://www.redentoristasfortaleza.org.br/nota/600

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>